Categoria: Yedda Lamounier (Sonetos)

Mostrando postagens com marcador Yedda Lamounier (Sonetos).
Voltar para a página anterior

Lembrando você (Yedda Lamounier)

Lembrando você
(Yedda Lamounier)

Hoje o dia está cinzento…
— Cinzento igual em minh’alma.
Berçando ao sôpro do vento,
a saudade que êle empalma.

Hoje o dia está cinzento…
E dentro de mim, num trauma,
borbulha meu pensamento,
perturbando minha calma.

Hoje o dia está cinzento…
— Ninguém liga… — ninguém vê…
— A tristeza que é pra mim.

Parece que o firmamento
lembrando hoje de você,
se enluta também, assim.

Em Soluços do Coração – poesia/ Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,
1965, pág. 25.

 

E foi assim… (Yedda Lamounier)

E foi assim…
(Yedda Lamounier)

Eu te encontrei um dia casualmente.
Tu me olhaste nervoso, demorado.
Qualquer coisa eu senti de diferente,
naquele teu olhar meio mirado.

E neste afogadilho de emoção,
senti meu sangue aos poucos ir fugindo,
acelerando mais meu coração,
enquanto estavas calmo, me sorrindo.

Eu, displicente, procurei fingir
para não te chamar quase atenção.
Mas, quando o meu caminho ia seguir
ficou prêsa na tua, minha mão.

Teu olhar mergulhou dentro do meu.
Um sôpro de carícia e de desejo
passou perto de nós como num beijo.
— E foi assim, que o nosso amor nasceu.

Em Soluços do Coração – poesia/Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,
1965, pág. 22.

 

Não pensar… (Yedda Lamounier)

Não pensar…
(Yedda Lamounier)

— Se eu pudesse não pensar…
— Deter o mundo parado…
Tentaria então voltar,
aos anos do meu passado.

Num contínuo cirandar,
tudo para mim vai ficando,
mais difícil de alcançar,
pelo tempo se esfumando.

O melhor mesmo é deixar,
jogada a vida pra lá,
como um traste indiferente.

— Do passado não lembrar.
— O futuro, Deus dirá.
— O que vale é só o presente.

Em Soluços do Coração – poesia/Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,
1965, pág. 125.

 

As flôres (Yedda Lamounier)

As flôres
(Yedda Lamounier)

Flôres!… — dão ar de nobreza,
ao casebre solitário.
Rescendem sempre a pureza,
como contas de um rosário.

Flôres!… — sorriso, beleza,
mas, podem ser o contrário.
Lágrima, dor e tristeza,
— silêncio de campanário.

Dizem os poetas que as flôres,
enfeitam a vida e a morte,
no momento que convém.

São tão sutis em primores,
que na mais variada sorte
o seu prestígio mantêm.

Em Soluços do Coração – poesia/Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,
1965, pág. 124.

Mãe (Yedda Lamounier)

 

 

Mãe
(Yedda Lamounier)

Por entre os atropelos desta vida,
na voragem de sonho e dissabor,
a verdadeira mãe, despercebida,
sabe sanar tão bem nosso amargor.

Muitas vezes por nós vive esquecida,
neste vale de lágrimas e dor.
Mas está sempre pronta, desprendida,
quando nós precisamos seu amor.

E vai ao nosso lado procurando,
amenizar feliz, nosso caminho.
Assim, vamos seguindo, sem notar,

que as suas mãos bondosas vão sangrando,
arrancando, sorrindo, cada espinho,
que possa por acaso nos magoar.

Em Soluços do Coração – poesia/Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,1965, pág. 162.

 

 

Enfrentei a vida (Yedda Lamounier)

Enfrentei a vida
(Yedda Lamounier)

Pode ser bem comum esta história.
Corriqueira até, mesmo banal.
Mas, a vida em sua trajetória,
deixou-me n’alma fundo sinal.

Não foi pra ela nenhuma glória.
— Pois sou sensível como um cristal…
Reforcei porém sua vitória
talvez por ser tão sentimental.

Mas, um dia, a enfrentei com desdém.
Desde então, todo o bem que ela risca,
— são apenas rabiscos de giz.

Soube nela me impor muito bem.
Corajosa, repudio a isca,
conseguindo também ser feliz.

Em Soluços do Coração – poesia/Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,1965, pág. 166.

Pé de Manacá (Yedda Lamounier)

Pé de Manacá
(Yedda Lamounier)

Na varanda lá de casa,
tem um pé de manacá.
O perfume que extravasa,
aroma melhor não há.

Cada ramo em flor, abrasa,
na beleza que nos dá.
O beija-flor vibra a asa,
o mel sugando de lá.

E quando a tarde vai indo,
vão suas flôres tingindo,
no rosado que ela dá.

– Volta ao ninho a passarada…
E a noite desce estrelada,
sôbre o pé de manacá.

Em Soluços do Coração – poesia/Yedda Lamounier,
Gráfica Editôra Livro S.A., Rio de Janeiro (RJ), Brasil,1965, pág. 180.

Send this to a friend