Categoria: Carlos Pena Filho (Sonetos)

Mostrando postagens com marcador Carlos Pena Filho (Sonetos).
Voltar para a página anterior

Soneto (Carlos Pena Filho)

Soneto 
(Carlos Pena Filho)

Por seres bela e azul é que te oferto
a serena lembrança desta tarde:
tudo em torno de mim vestiu um ar de
quem não te tem mas te deseja perto.

O verão que fugiu para o deserto
onde, indolente e sem motivos, arde,
deixou-nos este leve e vago e incerto
silêncio que se espalha pela tarde.

Por seres bela e azul e improcedente
é que sabes que a flor, o céu e os dias
são estados de espírito, somente,

como o leste e o oeste, o norte e o sul.
Como a razão por que não renuncias
ao privilégio de ser bela e azul.

Em Os melhores poemas de Carlos Pena Filho/
seleção de Edilberto Coutinho, 4ª edição,
Global Editora e Distrib. Ltda., São Paulo (SP) Brasil, 2000, pág. 32.

Soneto do desmantelo azul (Carlos Pena Filho)

Soneto do desmantelo azul
(Carlos Pena Filho)

Então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos
e colori as minhas mãos e as tuas.

Para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar o azul nas coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.

E afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço.

E perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul. Azul.

Em Os melhores poemas de Carlos Pena Filho/
seleção de Edilberto Coutinho, 4ª edição,
Global Editora e Distrib. Ltda., São Paulo (SP) Brasil, 2000, pág. 73.

Send this to a friend