As rosas XXIII (Rainer Maria Rilke)

As rosas
XXIII
(Rainer Maria Rilke)

Chegaste tarde, rosa, e recuaste
sob as luzes siderais das noites amargas:
tu vês, rosa, que tuas irmãs estivais
se comprazem em delícias raras?

Por dias e dias vejo que hesitas
na tua cinta apertada tão forte.
Rosa que, ao nascer, ao revés imitas
os lentos modos da morte.

Teu inumerável estado te faz conhecer
nessa mistura onde as coisas se dissolvem
esse acordo inefável entre o nada e o ser
que todos ignoram?

Em As rosas/ Rainer Maria Rilke; tradução e prefácio Janice Caiafa,
Livraria Sette Letras Ltda., Rio de Janeiro (RJ) Brasil, 1996, pág. 65.

Você pode gostar...

Send this to a friend