Poema Primeiro (Adalgisa Nery)

Poema Primeiro
(Adalgisa Nery)

Quando o amado surgir na minha noite infinita
quero que êle esteja seguro do meu amor
como a verdade na língua do profeta.
Quando o amado surgir para a noite das nossas núpcias
eu quero que as velhas árvores e o eterno vento se inclinem
diante da beleza do seu corpo
e da majestade do meu caminhar.
Quando o amado surgir para a grande fusão
eu quero que as fontes e os rios
parem seus murmúrios
para que eu ouça o cântico de seu coração
com as palavras de seus olhos e de suas mãos.
E quando o amado em seus vigorosos braços me recolher
e sua bôca se unir à minha bôca
tôdas as luzes do universo poderão morrer
porque eu ficarei eternamente iluminada
na suprema claridade de viver.

Da obra original “Cantos da Angústia” (1948)/Adalgisa Nery.
Extraído de Mundos Oscilantes – poesia reunida/ Adalgisa Nery,
Livraria José Olympio Editôra S.A., Rio de Janeiro (RJ) Brasil,
1962, pág. 138/139.

Você pode gostar...

Send this to a friend