O amor que não vivi (Basilina Pereira)

O amor que não vivi
(Basilina Pereira)

O amor que não vivi
resiste em minha memória
qual fruto que não colhi
e não entrou na história.

O amor que não vivi
deve estar em algum lugar,
quisera poder sentir
o que só pude sonhar.

O amor que não vivi
dizem: é conto de fadas,
não há sensação assim
– que arrepie a madrugada!

O amor que não vivi
existe em meu pensamento:
real — está bem aqui
onde mora o sentimento.

O amor que não vivi
cabe no verso ideal,
num poema em frenesi,
no acorde do madrigal.

O amor que não vivi
é chama que ardeu demais,
de tanto querer, perdi
e que falta ele me faz!

Em Janelas/ Basilina Pereira, Verbis Editora Ltda.,
Brasília (DF) Brasil, 2010, pág. 128.

Você pode gostar...

Send this to a friend