Basta de sonhos (José Eduardo Mendes Camargo)

Basta de sonhos
(José Eduardo Mendes Camargo)

Basta de sonhos,
desejos
e loucuras imaginadas.

Não mais a quero como musa
infinitamente bela e etérea,
a inspirar mil poemas e devaneios.

Desejo-a fêmea e próxima,
qual animal na plenitude dos desejos.

Quero-a nua e inteira,
em suas loucuras e fantasias,
dançando o nosso ritual do amor.

Quero beijar todo o universo de seu corpo,
dele beber o néctar de seus fluidos
para juntos vivermos o frenesi
de corpos abandonados.

Quero possuí-la selvagemente,
para juntos resgatarmos
todos os orgasmos cósmicos que tivemos.

Em Sonhos/ José Eduardo Mendes Camargo,
Massao Ohno Editor, São Paulo (SP), 1991, pág. 69.

Você pode gostar...

Send this to a friend