Retrospectiva (Flora Figueiredo)

Retrospectiva
(Flora Figueiredo)

Porque a vida é feita de proibições,
eu não compus todas as canções,
não percebi a brisa suspirar,
eu esqueci cantigas de ninar,
dei chances demais à voz dos credos,
não rompi de vez todos os medos,
roubei do tempo um tanto de carinho,
não vi as flor amar o passarinho,
perdi o trem na curva da vertente
e não deixei o mel melar completamente,

Porque a vida é feita de proibições,
larguei o fio, soltaram-se os balões,
deixei que o pião revirasse sozinho,
mandei que o zangão se zangasse baixinho,
desprezei a bruma que baixou o véu,
permiti à palavra dormir no papel,
evitei o desvio que atravessa a estrada,
não quis o desafio da ronda embriagada,
não li o poema do poeta maldito
e não tive o dilema do beijo infinito.

Porque ainda há tempo para o encantamento,
quebre-se o vidro do sermão absoluto,
rompa-se a teia, reveja-se o estatuto,
que a primavera quer amar o chão de vento.

Em Chão de Vento/ Flora Figueiredo, 1ª edição,
Geração de Comunicação Integrada Comercial Ltda.,
São Paulo (SP), 2005, pág. 22.

Você pode gostar...

Send this to a friend