Indagação (Théo Drummond)

Indagação
(Théo Drummond)

Quando dizes as coisas que me dizes,
naquele tom de raiva disfarçada,
ignorando o tempo em que felizes,
palavra alguma seca era trocada;

quando me agrides como se os deslizes
nada mais fossem que a propositada
maneira de buscar fazer das crises
dores mais fundas do que punhalada;

quando me encaras cheia de arrogância,
como se tudo fosse culpa minha
para tornar maior nossa distância,

eu me pergunto, com profundo espanto,
porque morreu o amor que a gente tinha
e a gente se enganou que amava tanto.

Em 100 Sonetos/Théo Drummond, Caravansarai Editora Ltda.,
Rio de Janeiro (RJ), 2006, pág. 102.

Você pode gostar...

Send this to a friend